Não adianta lutar, você será derrotado

Há lutas que são infrutíferas. Na verdade há lutas que entendemos que devemos abandonar. Porque consideramos inevitável, mas vai além dessa percepção. Às vezes é preciso saber quando baixar as armas, se render, permitir a morte. Só largando a própria vontade é que conseguimos de fato chegar para além do egoísmo.

Rav Hillel e o amor ao próximo

Conta uma história que certa vez, ainda enquanto os judeus estavam na Babilônia, existiam na comunidade judaica dois grandes sábios: Rav Hillel e Rav Shammai. Um homem fez uma aposta de que conseguiria provocar os sábios. Primeiro bateu na porta de Shammai e pediu que ele resumisse a Torah enquanto ele ficava em uma perna... Continuar Lendo →

Sendo guiado para fora da tormenta

A Estrela nos ensina a ter Esperança e Fé. É como atravessar um abismo. Os que passaram antes dizem que devemos nos jogar, mas acreditamos que se fizermos isso nos despedaçaremos nos chão. Eles dizem que não. Contudo, ficamos presos a nossos sentidos. Tememos o pulo.

O outro não é um inimigo

O inimigo não é o outro. Na verdade, invariavelmente, o inimigo somos nós mesmos. Podemos pensar que o outro nos deve algo, ou não nos dá. Podemos pensar que o outro é mau, por ele ter feito algo ou deixado de fazer.

O poder lhe dá prazer?

O poder, o prazer, o dinheiro e o sexo andam de mãos dadas. É como se todos tivessem a mesma vibração. É possível que se você tem problemas com um, provavelmente, terá problemas com os outros. Cada um deles pode ser útil e é necessário na sociedade em que vivemos, mas em desarmonia e juntos constroem uma espécie de jogo de perdição.

Você sabe o que é preconceito?

O ponto central do que o arcano do Eremita ressalta na figura acima está relacionado ao SABER. Ele nos questiona quando entendemos algo no nível do saber. No nível do eu sou aquilo que sei. O Eremita nos ensina que apenas a experiência traz o saber. Só a vivência na prática pode fazer com que nós possamos introjetar o conhecimento num nível profundo ao ponto dele vir para fora como luz.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑