A maior de todas as estratégias

Um estrategista, frio, que usa da astúcia, da artimanha e da malícia para alcançar seus objetivos. Esta é a imagem do arcano do Rei de Espadas. A conduta moral deve ser elevada, mas independente da moral e da ética, o arcano revela uma pessoa profundamente astuta.

Em busca do ideal de perfeição

A obstinação em fazer algo pode esconder um desejo de reconhecimento e aprovação. Muitas pessoas vivem a vida em busca de aprovação, de se sentirem merecedoras. Acreditam que precisam ser reconhecidos e vivem em função disto... 

O único confronto que vale a pena está dentro de nós

Um desejo irresistível de sair do lugar. O Cavaleiro de Espadas representa essa força. A inquietação que acomete os cavalos de corrida antes de ser dada a partida. Todo o processo de insatisfação que faz germinar uma nova forma de ver o mundo, uma nova ideia que obriga ao abandono de um estado de inércia que não tem mais sentido de ser.

Se não tem algo bom para dizer fique calado

Não se deixe levar pela tentação da fofoca, pelo prazer de trazer e levar notícias. Pelo desejo de ser a fonte do que está se passando e por isso incentivar a fofoca... Não permita que você seja um daqueles que amplia o boato. Não se deixe levar pelo julgamento apressado do que você vê e ouve.

É hora de arrancar os padrões mais profundos

Há padrões dentro de nós tão profundos que para serem quebrados, ou arrancados, precisamos viver um grande choque. Esse choque pode ser a constatação de um autoengano sobre nós mesmos. Podemos ter acalentado durante muito tempo, como uma certeza, que iríamos alcançar um determinado objetivo.

É hora de tomar uma direção

O arcano diz que qualquer que seja a escolha o resultado trará problemas... Se não houver a ação, aquilo que consideramos que precisa ser equilibrado ou ajustado, não será resolvido, e ficaremos presos na agonia da nossa própria consciência e do que vemos ou sabemos.

Os fins não justificam os meios

Chegamos ao Sete de Espadas. O sete, normalmente, nos coloca numa situação difícil. Às vezes precisamos fazer algo que consideramos que não está muito certo. E realmente ficamos no limiar do que é moral e do que é amoral, e podemos carregar a sensação que não estamos sendo completamente honestos com o outro.

A serenidade vem da compreensão

Saat Maet me ensinou que temos serenidade quando compreendemos o motivo das coisas. Encontramos a paz quando andamos com consciência do saber. Ao saber conseguimos ter a calma de esperar os acontecimentos e o amadurecimento das coisas.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑