Às vezes o desejo precisa evaporar

Algumas relações não devem ser vividas no plano físico. Devemos sublimá-las, ainda que percebamos que o desejo existe é preciso fazer com que ele evapore…

O desejo de comer mais uma colherada daquela comida deliciosa, mesmo quando já estamos satisfeitos. O desejo de ficar na praia além do tempo, porque estamos com os amigos e o dia está lindo. O desejo de aceitar aquele beijo proibido, ou de manter encontros sexuais numa relação que já deu o que tinha que dar, porque o sexo é muito bom. O desejo de beber mais um gole de cerveja…

Os nossos desejos, às vezes, podem nos assombrar e nos empurrar para o abismo e para a sarjeta de nós mesmos.

É importante conseguir dizer não, aprender a dizer não e saber que já foi saciado o desejo ou que ao passar daquela linha divisória só virá desassossego. Nessas horas, quando o desejo já foi atendido alguma vez, ou quando definimos em alguma parte da vida que aquele desejo acalentado desde criança, no fundo, no fundo, não é tão importante, e vai significar um desvio grande demais na vida, é a hora de sublimar o desejo.

Para sublimá-lo, depois de perceber o desejo, é preciso entender o que ele é de fato, isto é, o que nós estamos desejando? Qual o valor que está nos atraindo na situação? É a aventura, o perigo, a adrenalina, é a satisfação de uma carência, a vaidade, o poder, o controle sobre uma situação. é o desejo de não fazer nada, a preguiça, a intimidade e o companheirismo, a vida social… podem ser muitas coisas, e encontrando uma resposta podem haver mais, é preciso cavar…

Por exemplo, é dia de sol e praia. Você está com os amigos, brincando, mergulhando no mar. Você tem que entregar um projeto neste dia, mas prefere ficar na praia, porque estão todos reunidos, porque está bom. Você escolhe esticar o prazer. Por que? Vamos dizer que você está com resistência para escrever, ler e finalizar o projeto. E os amigos e a praia parecem uma opção melhor. Mas depois virá a rebarba, a ressaca e a correria cheia de desculpas pelo atraso no projeto.

De uma forma simples (a operação de sublimação tem mais questões envolvidas, mas de uma forma simples), para sublimar o desejo de ficar na praia, vamos dizer que o primeiro passo é entender o que o faz permanecer: a resistência em fazer o trabalho, falta prazer ali (no projeto) e esse trabalho lhe dá preguiça por isso; um provável desejo pelos social, pode ser uma carência, um desejo de trocar com os amigos; Uma insatisfação na vida que está sendo vivida no momento, você é uma pessoa que procrastina, justamente quando se depara com algo que não te dá prazer…

Entender o que motiva o desejo é o primeiro passo que nos ajudará a evaporá-lo. Ao entender já estamos transformando a ação e o sentimento envolvidos em ar, levando ao plano mental. A sublimação está completa quando esse entendimento leva a uma liberação do desejo e a outro tipo de ação. Uma ação mais consciente. Não necessariamente significa sair da praia e ir fazer o projeto, mas haverá mais consciência nos atos a seguir…

Mas essa é uma conversa longa… e assim vamos chegando ao Cavaleiro de Copas, aquele que ama, mas transcende o próprio amor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: