Defenda-se dos sonhos e das paixões

Seja o seu próprio heroi, Superman está ocupado. Mas não deixe de se perguntar: pelo que vale a pena lutar?

É preciso se defender dos sonhos e das paixões. Tanto um como o outro, às vezes, nos levam para o abismo. Movidos por sonhos e paixões lutamos pelo país, por uma ideologia, religião, por um partido, por nossa criação, sejam filhos ou uma obra. Lutamos para defender um ponto de vista, uma verdade que acreditamos. Nessa luta podemos nos perder.

Antes de implementar a batalha é importante se perguntar: pelo que vale a pena lutar? Até onde estamos dispostos a ir nesta luta? Devemos nos lembrar de fugir da luta selvagem, do desgoverno das paixões – paixão por time, uma fé, uma política. Lembrar de fugir da necessidade de vencer sempre, de dar a última palavra, de dar o troco, de soltar o veneno, de “matar a unha” de “dar um boi para não entrar numa briga, e dar uma boiada para não sair”. A moderação é bem vinda.

É verdade que a luta é necessária também. É preciso se empenhar, estar disposto, deixar de ficar olhando o “bonde passar” e correr atrás daquilo que se almeja. Não esperar que a sorte caia do céu. Mas precisamos entender que algumas lutas não valem a pena. Não valem o esforço.

É preciso se questionar sempre porque estamos na luta, e entender que, às vezes, é preciso ser aquele que é vencido. Aquele que morre na batalha. Saber quando baixar as armas e deixar que o outro vença. Isso também significa vitória.

A vitória que buscamos pode estar justamente em conseguir “morrer”, largar a competição, a disputa. Sermos nosso próprio herói, nas lutas que implementamos, não para vencer o outro, mas para nos resgatar da mesquinhez do ego.

Alguns podem dizer que a luta faz parte da própria natureza, que não seriam eles mesmo se não lutarem.  Alegar que natureza destrutiva e violenta é mais forte que a razão na hora da briga… Isso me lembra a história contada no filme “Traídos pelo Desejo” de Neil Jordan, de 1993. No filme uma personagem conta a fábula do escorpião e do sapo.

“O escorpião queria atravessar um rio e resolveu pedir ao sapo para ajudá-lo. Ele sugere que poderia ficar nas costas do anfíbio ajudando-o na travessia. Ele empurraria todos os objetos que viessem ao seu encontro, e o defenderia dos animais que por ventura o viessem atacar. O sapo gosta do argumento, mas alega que o escorpião tem má fama.

– O que garante que você não irá  me ferroar?, questiona.

– Não farei isso, se fizer nós dois morreremos afogados.

O sapo concorda. Então o escorpião sobe nas costas do anfíbio e assim começa a travessia. Tudo transcorre conforme o combinado, até que no meio do rio, o sapo sente a fisgada da ferroada. Antes de morrer, o sapo pergunta:

– Por quê? 

– Não pude evitar. Essa é a minha natureza”.

Muitas vezes esquecemos que devemos nos salvar da nossa própria ignorância, dessa natureza destrutiva, e libertar uma outra faceta, mais inclusiva.

A luta pela realização faz parte, mas não significa destruir, nem competir, o verbo talvez seja reunir. E tudo começa no processo de nos reunir a nós mesmo. Reunindo as nossas próprias partes: emoção, razão, ação, intenção… partes que estão separadas e perdidas da consciência de quem somos.

Essa é de fato A TAREFA mais hercúlea que vamos enfrentar e a única vitória que realmente interessa.

2 comentários em “Defenda-se dos sonhos e das paixões

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: