O Arcano do Mago

“Seguir o guia interior nem sempre significa escolher a alternativa mais segura e de resultados garantidos”

De onde eu vim?

Para onde vou?

Quem eu sou?

O que eu estou fazendo aqui?

Qual é o propósito de tudo isto?

Para começar a jornada interior é preciso ter em mente essas perguntas. Buscar respondê-las, e entender o que significam de fato a cada nova etapa da vida. Devemos buscar aprender a concentração sem esforço. Transformar o trabalho em jogo. Fazer como a criança que brinca na vida. Lembrar que nada precisa ser tão dramático como parece. Mudar a forma de pensar nos NOSSOS problemas, na NOSSA dor e fazer o fardo se tornar leve.

O Mago nos ensina que precisamos buscar entender os quatro elementos. Ele carrega uma um caduceu e tem na sua mesa, moedas, uma taça e uma espada. Em algumas lâminas ainda aparecem outros elementos, significando um jogo: A taça representa o elemento Água, o caduceu, o Fogo, a moeda, a Terra e a espada, o Ar.

A água: As emoções são como águas dentro de nós. Elas nos ajudam a imprimir a experiência, a ter empatia, nos entender, compreender o entorno. É o fio condutor que nos liga à Alma. Mas em excesso nos inebria, nos vicia. E o seu tumulto pode impedir que a direção fique clara.

O Fogo: O fogo representa a ação, a energia, a direção. É a força espiritual que nos anima. Também é a paixão e o desejo que em excesso pode nos machucar. Pode ser a agressão que em algum momento volta ao ponto de partida, isto é, nós mesmos.

A Terra: A moeda tem dois lados, é bom saber. A terra representa o plano material, o corpo, as posses, a realização neste mundo. Mas de quem nós queremos os aplausos? A meta é o sucesso ou a fama? Você vai se vender ao sistema ou vai realizar algo útil para você e os demais? Estamos aqui para atender aos desejos da Alma ou do ego? São muitas perguntas para responder…

O Ar: O elemento está representado pela a espada. É o símbolo de nossos pensamentos, crenças, palavras. Assim como a moeda a espada também tem duas lâminas, pode matar ou salvar. Dependerá de nós saber usá-la (a palavra) com sabedoria. O mestre diz: “o mal não é o que entra na boca, mas o que sai da boca do homem”, o que prolifera em seus pensamentos.

Ele nos ensina que estes são os elementos básicos que compõem a natureza interna e externa. Como vamos utilizá-los definirá a nossa vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: